terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Polícia pede prisão de mulher que teria torturado filho com ovo quente

Menino teve as mãos queimadas no domingo (9), na Zona Sul de Macapá.
Mulher confessou o crime e aguarda por decisão judicial.

A Polícia Civil do Amapá pediu nesta segunda-feira (10) a prisão de uma mulher de 22 anos que teria queimado as mãos do filho de 7 anos após a criança pegar uma moeda de R$ 1 sem a autorização dela. O dinheiro seria para comprar biscoitos, segundo contou o garoto que está sob a proteção da avó paterna, numa área de ponte no bairro Zerão, Zona Sul de Macapá. Conforme informou o delegado Flávio Souza, como punição o menino foi obrigado a pressionar um ovo quente entre as duas mãos até que ele estourasse. O episódio aconteceu no domingo (9). Desde então, a mulher aguarda por decisão judicial no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) do bairro Congós, onde foi apresentada pelos crimes de lesão corporal grave e maus tratos.
Menino foi obrigado a pressionar um ovo quente entre as duas mãos (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar) 
Menino foi obrigado a pressionar um ovo quente
entre as mãos (Foto: Divulgação/Conselho Tutelar)

“Ela confessou o crime. Agora é esperar que a Justiça estadual e o Ministério Público se manifestem sobre o ocorrido”, declarou o delegado.
Em entrevista ao G1, a avó paterna do menino, Maria do Socorro Silva, de 46 anos, disse que os momentos de tortura foram narrados pela criança, que durante a entrevista mostrou-se acanhada, com a cabeça baixa e os braços cruzados.
“Ele disse que pegou a moeda em cima de uma mesa porque não tinha comido nada durante o dia. (...) Foi um trauma muito forte. Eu ainda não consegui dormir só pensando em tudo pelo que ele teve que passar”, disse a avó, que se emocionou ao lembrar do momento em que foi informada sobre a violência.
Maria do Socorro Silva, de 46 anos, avó da vítima (Foto: Dyepeson Martins/G1) 
Maria do Socorro Silva, de 46 anos, avó da vítima
(Foto: Dyepeson Martins/G1)

A conselheira tutelar da Zona Sul de Macapá Regiane Gurgel informou que o episódio chegou ao conhecimento da entidade cerca de duas horas após o ocorrido, quando o menino foi levado por vizinhos ao Pronto Atendimento Infantil (PAI) do Hospital das Clínicas Alberto Lima (HCAL). O garoto estava com as mãos queimadas e o rosto com marcas de espancamento. Enfermeiros que fizeram o primeiro atendimento acionaram o Conselho Tutelar.
"Esse garoto será acompanhado por assistentes sociais e psicólogos durante um longo período”, disse Regiane Gurgel.
Regiane Gurgel, conselheira da Zona Sul de Macapá (Foto: Dyepeson Martins/G1) 
Regiane Gurgel, conselheira da Zona Sul de
Macapá (Foto: Dyepeson Martins/G1)

“A nossa preocupação agora é cuidar da saúde da criança que sofreu uma violência absurda. Já acionamos o Ministério Público para que tome as medidas cabíveis. (...) A mãe provavelmente perderá a guarda do menino que está sob os cuidados da avó após ela ter assinado um termo de responsabilidade e cuidados”, informou a conselheira.

O pai do garoto está viajando a trabalho, segundo informou a avó do menino.


Dyepeson Martins

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moradores da Avenida 15 de Novembro no bairro do Paraíso sofrem com alagamentos constantes

Por Iran Froes Moradores da Avenida 15 de novembro, no bairro Paraíso, no perímetro das ruas Osvaldo Cruz e Padre Vitório Ga...