quarta-feira, 8 de abril de 2015

Centro de Atenção Psicossocial é adequado para atendimento 24h

A Rede de Atenção voltada a Saúde Mental do Estado do Amapá está em processo de reorganização. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) vai tornar o Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS), chamado de Casa da Gentileza, referência no atendimento e tratamento a pessoa com sofrimento mental severo e persistente.

A adequação prevê o funcionamento 24h e nos sete dias da semana com utilização de recursos terapêuticos, visando proporcionar atenção integral evitando internações psiquiátricas. Hoje o Estado não possui referência para este tipo de procedimento, sendo o Hospital de Emergência a porta de entrada para usuários em crises.

"Hoje no Estado não temos referência para saúde mental. Possuímos a psiquiatria que não trabalha com ambulatório, temos as unidades de saúde que não possuem psiquiatras, a única porta de entrada aberta neste momento é o Hospital de Emergência. Quando finalizarmos as adequações de transformação do CAPS II para III teremos atendimento adequado de contenção para pacientes em crise e com isso estaremos de acordo com o que preconiza a Luta Antimanicomial que é a humanização do atendimento", informou a Coordenadora Estadual de Saúde Mental, Teresinha da Cunha Carvalho Silva.

O CAPS Casa da Gentileza atualmente realiza atendimento humanizado interdisciplinar, psicossocial no acolhimento de pessoas com sofrimento mental. Além disso, o trabalho é voltado a estimular a integração social e familiar através de atendimento médico e psicossocial. Mensalmente a Casa da Gentileza realiza aproximadamente 400 atendimentos de segunda a sexta-feira nos turnos da manhã e tarde.

Além do CAPS II, a Sesa também conta com o CAPS Álcool e Drogas (AD), destinado ao atendimento diário à população adulta com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, como álcool e outras drogas. A Sesa está em fase de implantação do CAPS Infantojuvenil (IJ) no município de Santana, para crianças e jovens até 17 anos que apresentam transtornos mentais ou decorrentes do uso de drogas.

Os CAPS constituem a principal estratégia do Ministério da Saúde no processo de reforma psiquiátrica. A Política Nacional de Saúde Mental, apoiada na lei 10.216/02, busca consolidar um modelo de atenção à saúde mental aberto e de base comunitária. Isto é, mudança do modelo de tratamento: no lugar do isolamento, o convívio com a família e a comunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moradores da Avenida 15 de Novembro no bairro do Paraíso sofrem com alagamentos constantes

Por Iran Froes Moradores da Avenida 15 de novembro, no bairro Paraíso, no perímetro das ruas Osvaldo Cruz e Padre Vitório Ga...